Mitos e verdades sobre a vacinação em gestantes

Durante a gestação, algumas alterações naturais no organismo podem favorecer a queda da imunidade da mulher. Com o corpo mais sensível, o cenário se torna favorável à ocorrência de infecções. Nesse momento, o vírus Influenza pode achar lugar e as consequências podem ser graves. Por isso, a importância das gestantes ficarem atentas ao período de imunização contra a gripe.

Sim. A gripe durante a gestação ou puerpério pode levar a quadros clínicos graves, pneumonia e morte. O risco de complicações é muito alto, principalmente no terceiro trimestre de gestação, mantendo-se elevado no primeiro mês após o parto. A vacinação contra o vírus influenza em gestantes é uma estratégia eficaz de proteção para a mãe e para o lactente. Estudo realizado demonstrou que os lactentes de mães vacinadas contra a influenza, apresentaram menor risco de contrair a doença.

Essa é uma das vacinas mais importantes no período gestacional. Além de proteger a mulher do vírus da gripe normal, também evita internações por bronquite, pneumonia e até a morte, devido a queda da imunidade. A vacina proporciona anticorpos maternos para o bebê por meio da placenta. Os anticorpos da criança ainda estão em formação e após a vacinação, os anticorpos maternos atingem seu pico e são parcialmente transferidos para a criança.

Sim. A vacina não causa nenhuma complicação aos bebês. Pelo contrário, os protege. Crianças de 6 meses a 5 anos fazem parte do grupo de risco e têm preferência na vacinação contra a gripe.

Sim. Todas as gestantes devem tomar a vacina Influenza, em qualquer fase da gestação. Ela é gratuita para gestantes (qualquer idade gestacional, não precisa comprovação de gestação) e puérperas de até 45 dias (levar certidão de nascimento do recém-nascido ou cartão da gestante ou documento do hospital).

Não. Vários estudos têm demonstrado a possibilidade de as grávidas tomarem mais de uma vacina ao mesmo tempo. Quando a gestante for se vacinar contra a gripe, por exemplo, pode aproveitar a oportunidade e atualizar a caderneta de vacinação. Mas, em todas as situações, deve se seguir o que for orientado pelo profissional de saúde, que também vai informar quais vacinas são indicadas para gestantes no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

Não. A vacina da gripe usa vírus inativado (morto) em sua composição, portanto, não é possível que provoque a doença causada pelos 3 tipos de vírus contidos na vacina.

Não. A vacina em gestantes pode ser administrada com segurança mesmo que a pessoa esteja usando antibiótico.

É preciso que a gestante faça uma avaliação em um serviço de saúde para saber se o caso dela requer adiamento ou contraindicação da vacina. O profissional de saúde é quem deve orientar a gestante nesses casos.

Fonte: Ministério da Saúde

Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *